26 de abril de 2008

Crônicas de uma avó remetedeira*

Uma senhora, já de muita idade, passado seus 90 anos, depois de 5 filhos, dois deles mortos em desastre, e alguns netos e bisnetos, em uma tarde fria e chuvosa resolveu tirar do fundo do armário uma velha pasta que continha algumas fotos e poucos documentos.
Ao passar cada relíquia daquela acabou montando um filme de sua vida em sua memória, pois o que ela tinha o tempo censurou algumas cenas.
Viu seus pais, reencontrou suas irmãs e relembrou de seus amigos, releu algumas cartas e algumas faturas antigas, até que encontrou um documento realmente peculiar, sua primeira carteira de trabalho e pode relembrar cenas de sua vida que fizeram-lhe soltar algumas lágrimas, ainda mais quando viu sua primeira fotografia, uma pequena, tamanho três por quatro, preta e branca e já desgastada, lembrou que tirou aos 16 anos de idade e de um outro fato peculiar:
"Estava trabalhando arrumando os fios quando o Senhor Pimpão, o dono da fábrica de tecidos, esse era seu apelido, o nome já não me lembro mais, falou 'Vamos tirar as fotos para a carteira, anda, vamos!' ele era muito engraçado, mas nós queríamos nos arrumar, estávamos suadas, minha sorte é que eu gostava de andar arrumadinha, de brinco e colar, porque Sr. Pimpão disse 'Vamos gente! Não precisa de se arrumar! Quem nasceu bonito sai bonito, quem nasceu feio sai feio mesmo!' foi assim que tirei minha primeira foto, de cabelo escorrido pro lado e um vestido velho."
Depois de rever algumas outras fotos e outros documentos resolveu guardar a velha pasta no fundo do armário e decidiu que não a abriria mais, queria morrer com aqueles bons momentos relembrados, porque se continuasse talvez iria se recordar de algo indigesto.
Ela viveu por mais alguns anos e depois, enfim reencontrou suas memórias.

*remetedeira: cargo na fábrica de tecelagem que preparava os fios para as tecelãs

8 comentários:

  1. retribuindo o comentario! gostei dos contos do seu blog, vi q vc e bem inteligente e seus contos, muito interessantes! parabens pelo trabalho!

    www.futebolediscussoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. gostei do texto
    realmente devemos guardar apenas os bons momentos de nossa vida, o filme dela não precisa conter cenas indigestas...

    http://cienanosdesolead.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Belo texte, mas atenção na gramática!!!!

    Até mais...

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho medo dessas memórias... sempre achei que a gente morria depois que repassasse o filme da vida... quando eu tiver 90 anos então, ferrou!

    Mas deixando de lado minhas baboseiras... curti o texto, bem bonito!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. É muito bom ter bons momentos para recordar!
    Parabéns pelo texto!

    http://maynabuco.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. será que eu sou um velho então?

    ResponderExcluir
  7. Olá, sr. Krepker, passei aqui depois de muito tempo e adorei este conto! Muito legal o sr. Pimpão e o modo como ela tirou sua primeira foto! Estás com a razão, o importante é preservar as boas memórias e tudo de bom da vida!

    ResponderExcluir
  8. gostei dos teus contos e em especial deste da avo remetedeira ( acho que escrevi certo rs)
    este conto caiu bem com um blog que faco sobre fotografias antigas da minha familia...
    copiei ,colei e nao me esqueci de dar os teus creditos...
    espero que nao se importe, mas caso se importe me avisa que eu tiro sem problemas...
    um abraco
    e parabens pelo teu blog!

    ResponderExcluir